1) dados armazenados a serem examinados; 2) formas de identificação de relações entre os dados; 3) exemplo de fraude detectável pela Tecnologia da Informação.

Os trabalhos dos fiscais dependem da coleta e análise de dados dos contribuintes para a correta arrecadação de receitas. Até a invenção dos computadores, as transações eram registradas de forma manual pelos contribuintes. Nas últimas décadas, os sistemas de Tecnologia da Informação (TI) permitiram a captação automatizada dos dados transacionais em bases de dados.

Como é necessário fiscalizar dados de milhões de contribuintes, os sistemas de computação armazenam esses dados e proporcionam funcionalidades para análise da qualidade dos registros. De acordo com o livro Gestão da Segurança de Informação do especialista em TI Marcos Sêmola, os dados devem estar armazenados em sistemas com atributos de confidencialidade, integridade e disponibilidade para garantir a segurança da informação.

Com a garantia da qualidade dos dados armazenados, o fiscal pode executar as suas atribuições de fiscalização com mais segurança. Há formas de identificação de relações entre os dados para testar e verificar a qualidade das informações apresentadas pelos contribuintes. As ferramentas de “Data Warehouse”, “Business Intelligence” e “Data Mining” são usadas na extração e análise de dados, permitindo o cruzamento de informações de diversas bases de dados e indicando possíveis indícios de irregularidades como erros e fraudes.

Os usuários de TI também podem utilizar a tecnologia de maneira ilícita, manipulando dados para apresentar demonstrações financeiras com números alterados para pagamento de tributos com valores inferiores ao real. Os Fiscos usam os recursos de TI para verificar se os valores dos tributos estão coerentes com as transações dos contribuintes. Por exemplo, a análise da proporcionalidade entre o lucro e o faturamento de uma empresa contribuinte de imposto sobre a renda. A comparação pode ser feita verticalmente entre contas contábeis distintas e também horizontalmente no confronto da mesma conta contábil em diferentes períodos

Fonte: Administradores.com